Se fosse eu sozinho...

Se fosse eu sozinho a saber por onde andar, estaria perdido.
Se fosse eu sozinho a pensar nas solução de meus problemas, estaria hoje com sérios problemas.
Se fosse eu sozinho a pensar no que escrever, nada sairia como eu gostaria.

Obrigado, Senhor.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

O Poder do Silêncio

   Quem nunca passou por um momento de brigas e discussões e que, logo depois, pensou em como deveria ter ficado calado? Quem nunca passou por um momento em que palavras não expressariam o que se passava no coração? Quem nunca passou por um momento no qual o silêncio fora a unica arma usada para se defender ou agredir? Quem nunca passou por um momento em que o silêncio de si mesmo e do outro foi uma grande prova de amor e carinho?
   Mamãe do Céu ensinou para nós exatamente isso: recebeu o Filho de Deus, o criou, ensinou, educou, cresceu junto com Ele e na maior parte do tempo esteve em silêncio. Ensinou-nos o valor de escutar, de aprender com os ensinamentos de quem já passou por aqui e, no seu caso, quem Criou tudo isso aqui. Ensinou-nos o valor de permanecer em silêncio nas horas em que nosso tão querido e precioso ego é atingido. Exatamente quando cutucam naquela ferida, quando apontam aquela mancha cuja podridão queria que ninguém visse.
   O que aconteceu com o mundo? O que aconteceu, principalmente com os jovens, que deixaram de escutar os mais velhos, de querer ouvir histórias dos avôs e avós, de querer aprender com aqueles que já viveram uma vida de aventuras e sonhos, muitas vezes humilhados, muitas vezes bem-sucedidos, muitas vezes tristes, muitas vezes felizes. Agora, porém, que aprenderam (ou não) a sua fórmula da felicidade e querem compartilhar com seus netos ou filhos tão queridos, estes não têm tempo, não têm vontade, não têm paciência. Têm uma coisa: prepotência. Acham que sabem de tudo, acham que têm poder para tudo. Acham que detém a toda a inteligência e ventura para serem mais que tudo. Esquecem-se, porém, de um detalhe essencial: a inteligência provém da aprendizagem com seus erros; a sabedoria, entretanto, da aprendizagem com os erros do outro. A inteligência provém do estudo; já a sabedoria, da experiência. De que me adianta ter todo o conhecimento do funcionamento de um computador se o uso só para coisas banais? De que me adianta ser excepcional em desenho se não tenho visão crítica das situações? De que me adianta saber tocar um instrumento se as músicas que toco não contribuem em nada para com o crescimento do meu irmão?
   E de onde vamos tirar esse conhecimento? Da escuta de quem já viveu. Nós tiramos esse conhecimento ouvindo e prestando atenção no que ouvimos, analisando o que lemos, entre outras coisas. Eu aposto que se eu perguntar para os leitores desse blog quantos entendem meus poemas verdadeiramente, muitos iriam dizer que sim. Porém, se perguntar quantos analisam o que lêem, acho que poucos saberiam me explicar o que leram. "Aaahh, você não ia falar do silêncio?". É justamente aí onde o silêncio entra. É calando a boca e ficando verdadeiramente em silêncio que poderemos ser mais justos, sábios, inteligentes, etc. É parando para escutar e simplesmente escutar que poderemos apreciar o canto de um pássaro no meio do tráfego. Sim, existem pássaros cantando em meio ao tráfego. E o canto de um pássaro tem muito o que oferecer, principalmente nos dias atuais. Pense nisso.
   Tenho absoluta certeza de que assuntos críticos são muito melhor resolvidos com calma, paciência e baixa intensidade sonora. Tenho certeza de que aulas são muito melhor aproveitadas com calma, paciência e baixa intensidade sonora. Tenho certeza de que problemas na família são muito melhor... Pelo amor de Deus! Se dá para perceber que se sua mãe começa a gritar e você começa a gritar vocês não saem do lugar, então engole o sapo e depois com muita calma, paciência e baixa intensidade sonora, nunca perdendo a confiança de que uma hora vai dar certo, converse com tranquilidade, vendo os pontos conflitantes, descobrindo o porque das coisas, vai ser tão mais agradável que até os seus vizinhos vão agradecer! "Ah, eu não gosto do meu vizinho." Relaxa, ele também não gosta de você. "Poxa, mas eu gosto do meu vizinho." Relaxa, ele gosta de você. Viu?, é só uma questão de ponto de vista. Agora, me dá licença que eu preciso fazer silêncio com os dedos, eles fazem muito barulho.


Rogério Troncoso

Nenhum comentário:

Postar um comentário